Farmácia Maxifarma

Tirar a cutícula faz mal? Descubra os mitos e verdades sobre esta prática

Você até sabe que tirar a cutícula faz mal, mas não consegue abandonar esse hábito? Então confira nossa lista com mitos e verdades.

14 de novembro de 2018 - Maxifarma

A maior parte das brasileiras pede para a manicure tirar todas as pelezinhas que ficam ao redor das unhas, pois consideram que o resultado fica mais elegante. Porém, a verdade é que tirar a cutícula faz mal mesmo.

Mesmo assim, muitas mulheres simplesmente não conseguem gostar de suas unhas quando ainda estão enxergando alguma pele – e até preferem que a manicure “arranque um bife” a deixar sobrar um pouco de cutícula.

Pensando nisso, reunimos uma lista com os principais mitos e verdades sobre esse costume para você se convencer de vez a deixar essas pelezinhas no lugar de onde elas nunca deveriam ter saído. Confira:

1. Tirar a cutícula é uma mania quase que exclusiva das brasileiras?

Verdade. O Brasil é um dos poucos lugares em que tirar a cutícula é quase regra. Esse costume é muito mais raro nos EUA e na Europa, chegando a ser proibido em alguns países desse continente.

Em outros locais, como o Japão, a manicure e o salão de beleza podem ser processados e obrigados a arcar com os gastos caso se “arranque um bife” ou a cliente tenha uma infecção em função dessa prática, por isso não é comum encontrar profissionais que ofereçam esse serviço.

2. As cutículas são necessárias para a saúde das unhas?

Verdade. A cutícula é a barreira que protege a matriz ungueal, justamente a região que produz a unha.

Quando a cutícula sofre um trauma, a matriz também pode ser afetada, o que pode prejudicar a aparência e o formato das unhas ao causar descoloração e irregularidades em sua superfície.

3. Remover a cutícula faz as unhas crescerem mais rápido

Mito. Não existe nenhuma relação entre o costume de tirar as cutículas e a velocidade de crescimento das unhas.

4. Tirar a cutícula favorece micoses e infecções

Verdade. Ao tirar essa membrana protetora, a unha fica exposta à entrada de umidade e microrganismos causadores de infecção.

A paroníquia aguda, por exemplo, é uma infecção originada pela entrada de bactérias que deixa a região vermelha e inflamada e requer tratamento com antibióticos. Com a permanência da umidade excessiva, pode haver também a entrada de fungos, causando a paroníquia crônica, que pode comprometer o crescimento da unha.

5. Esse hábito pode favorecer doenças muito graves

Verdade. Quanto mais fundo se tira a cutícula, maior é o risco de tirar pele demais e provocar um corte com sangramento.

Nesse caso, se os instrumentos de manicure não tiverem sido devidamente esterilizados, a lesão poderá ser uma porta de entrada para qualquer tipo de microrganismo, incluindo os causadores de doenças graves como hepatite e AIDS, que são transmitidas pelo sangue (entre outras formas).

6. Quanto mais você tira as cutículas, mais elas crescem

Depende. Alguns dermatologistas afirmam que a cutícula tem um limite de crescimento, assim como acontece com os pelos e os cabelos. Portanto, ela não poderia crescer além de um determinado nível independentemente de ser tirada ou não.

Porém, a maioria dos especialistas defende que esse hábito não apenas faz com que a cutícula cresça ainda mais, mas também faz a pele ao redor da unha ficar mais grossa. Isso acontece porque, quando essa barreira é retirada, o corpo se apressa em regenerá-la para restabelecer a proteção.

Além disso, a remoção da cutícula causa uma inflamação que, com o tempo, leva à formação da fibrose, uma espécie de cicatriz interna que deixa a região mais endurecida e acaba engrossando a pele em torno da unha.

7. Se não tirar a cutícula, o acabamento da manicure não ficará tão bom

Mito. Considerar o acabamento da manicure bom ou ruim é principalmente uma questão de estética – e a maior parte das brasileiras está acostumada a considerá-lo “bonito” apenas quando toda a cutícula é retirada.

Porém, é possível ter um acabamento excelente tirando apenas o excesso de cutícula (aquelas pontinhas que levantam). Além disso, ao não removê-las, é mais fácil limpar os esmaltes dos cantinhos e você não ficará mais com a pele toda avermelhada e inchada ao redor das unhas.

Por fim, depois de dois a três meses sem tirar a cutícula, ela ficará bem mais fina, como as de um bebê ou de uma pessoa que nunca a removeu, de modo que você nem notará a diferença no acabamento.

8. Empurrar a cutícula com um palitinho é uma boa ideia

Verdade. Em vez de tirar a cutícula, é mais saudável apenas empurrá-la para trás delicadamente com auxílio de um palitinho ou espátula.

Para fazer isso com mais facilidade e evitar lesões, aproveite o momento depois do banho ou deixe as mãos imersas em água morna por alguns minutos, de forma a amolecer as cutículas.

9. Os removedores de cutícula são uma boa alternativa

Mito. Muitas vezes, esses produtos contêm substâncias que destroem a queratina, a proteína impermeável que forma as cutículas, as unhas e a pele.

Dessa forma, ao aplicar um removedor, você pode acabar prejudicando outras estruturas além daquela que você queria remover.

10. A hidratação é fundamental para ter cutículas bonitas

Verdade. Depois de empurrar as cutículas, é importante aplicar um óleo ou loção hidratante específicos para essa região para mantê-las íntegras e prevenir o ressecamento (que faz as pelezinhas ficarem “saltadas”).

Existem até mesmo alguns produtos em forma de caneta que são muito práticos para levar na bolsa e podem ser usados várias vezes ao dia.

Além disso, é essencial hidratar as cutículas de dentro para fora, ou seja, tomando pelo menos 2 litros de água diariamente.

Agora que você sabe por que tirar a cutícula faz mal e como mantê-la bonita e saudável, vai ser muito mais simples cuidar das suas unhas e ficar com a manicure perfeita.

Fonte(s): Huff Post BrasilTudo ElaO GloboVix e BOL